Pular para o conteúdo principal

O Ópio do povo...


Dia desses fiz a postagem de um cartaz que dizia: “JESUS! Este nome pode mudar a sua história” e uma determinada pessoa comentou: “O ópio”  Em uma referência a famosa frase: "A religião é o ópio do povo" que é uma frase presente na “Crítica da Filosofia do Direito de Hegel” de Karl Marx, obra publicada em 1844.  O interessante é que atualmente, faz-se uso desta frase como um recurso de crítica a prática religiosa, sugerindo que esta, semelhante a uma droga é prejudicial a humanidade. Note que, como disse, é uma crítica a TODAS AS RELIGIÕES, e não somente ao cristianismo. Como não concordo com esse pensamento, e acho que muitas pessoas desconhecem este tipo de analogia, achei por bem escrever um pouco sobre o tema.

Para começarmos é bom saber que Karl Marx não foi o primeiro a fazer tal comparação entre a religião e o ópio, na verdade trata-se de uma ideia bastante popular entre os escritores do século XVIII, por exemplo: Immanuel Kant, Herder, Ludwig Feuerbach, Bruno Bauer, Moses Hess e Heinrich Heine. Numa rápida pesquisa na Wikipédia encontrei frases de outros autores que podem ilustrar melhor o conceito. 
Heinrich Heine, no seu ensaio sobre Ludwig Börne escreveu:
"Bendita seja a religião, que derrama no amargo cálice da humanidade sofredora algumas doces e soporíferas gotas de ópio espiritual, algumas gotas de amor, fé e esperança. "
Moses Hess, num ensaio publicado na Suíça, também utilizou a mesma ideia: A religião pode fazer suportável [...] a infeliz consciência de servidão... de igual forma o ópio é de boa ajuda em angustiantes doenças.

O Pensamento filosófico dos séc. XVIII e XIX, fortemente influenciados pelo iluminismo e pelo humanismo, que até então reconheciam as práticas religiosas como arbitrárias, e como estratégias de manipulação das massas, principalmente pelos governos monárquicos. Com a ascensão da burguesia, ou seja do  comércio crescia o sentimento de inconformismo e rompimento com os paradigmas sociais da época.  Contudo, há de se convir que hoje, em pleno séc XXI, não podemos ser tão simplórios e achar que as pessoas que de algum modo se ligam a religiões são pessoas exclusivamente manipuladas.  Admito que há, como sempre houve, os charlatões e aproveitadores. Mas o fato é que a natureza do homem clama por seu criador e a busca por Deus é algo que transcende a própria lógica. Todos os povos, em todas as culturas tem algum tipo de prática religiosa. Em minha concepção, a religião cumpre seu papel de tornar as pessoas mais sociáveis e de promoverem o desenvolvimento e bem estar social. Compreendo que alguém religioso, na maioria das vezes optará por agir dentro de normas e valores que sejam benéficos, senão a todos, mas ao menos um grupo de pessoas. Eu, por exemplo, sou da religião evangélica e junto de meus irmãos, frequentemente promovemos ações sociais que favorecem a várias pessoas.

Concluindo, atualmente, não vejo a religião como ópio. Como uma droga que embota os sentidos e torna seu praticante passível de controle social, senão teríamos presidentes de todas as nações decretando suas religiões como oficiais e promovendo seus sacerdotes a baluartes da verdade. Pelo contrário, o mundo do séc. XXI é laico, e tende mais ao ateísmo e apatia religiosa que o contrário. O ópio esta nas mídias e, pelo que sei, bem longe das igrejas.
Quanto a mim, se é que lhe interessa, declaro que: “Religião não salva ninguém, mas condena a muitos!” Jesus Cristo é o caminho, a verdade e a vida, ninguém chega a Deus por outros caminhos. Isso não é religião é Fé!

                       Ney Bellas

Postagens mais visitadas deste blog

Papo de Crente: “Morar junto”, sem se casar, é pecado?

Bem, para responder a esta pergunta, de cara gostaria de dizer que não sou muito de ficar apontando para isso ou para aquilo e dizendo se é pecado, ou não. Afinal, pecado significa errar o alvo, que por sua vez representa a pessoa de JESUS CRISTO. Logo, tudo que fazemos que nos afasta dEle é pecado. Certo? Mas, a pergunta acima tem sido recorrente entre vários jovens e por isso optei por este texto. Vamos entender uma coisa, “morar junto” não é o mesmo que estar casado, assim como “ficar” não é namorar e namorar anos sem compromisso não é “noivar”.  Outra coisa é que esse papo de “morar junto” nada mais é do que um jeitinho de se ter relações sexuais, dentro do socialmente correto. Que fique claro que seguir a Cristo é uma coisa simples, mas que sempre envolve decisões difíceis. Entenda isso como a “porta estreita” da qual Jesus nos alertou. Sexo antes do casamento é FORNICAÇÃO! Não entendeu? Eu explico: “Fornicação é o ato ou efeito de fornicar. Ter relações sexuais por puro prazer, p…

A CABANA e os FALSOS MESTRES

Enquanto escrevo estas linhas milhares de pessoas estão lotando salas de cinema em vários países e até mesmo no Brasil, para assistirem o Filme: A Cabana.  Dirigido por Stuart Hazeldine e adaptado do livro homônimo de 2007, escrito por William Paul Young, canadense, filho de missionários cristãos, teólogo formado em Religião no estado do Oregon, nos Estados Unidos. E, para mim, um dos FALSOS MESTRES de nosso tempo.    Pois bem, este texto, assim como habitualmente o faço é fruto de uma conversa com um amigo que assistiu o referido filme, gostou, o recomendou a outros e me disse que soube reter o que era bom e descartar o que não valia a pena. Acredito e glorifico a Deus por tê-lo capacitado a ter esse nível de discernimento, contudo tenho o coração aflito, tanto pelo zelo que tenho a palavra de Deus, quanto pelas vidas que podem vir a se perder diante do engodo de uma estória emocionante.    Segundo a sinopse oficial do filme a trama apresenta "um homem atormentado após perder a su…

Mães de joelho, filhos de pé

Desperta Débora
“Orando por nossos filhos”.
“Desperta Débora é um movimento de oração cujo alvo é despertar mães comprometidas a orar 15 minutos por dia, para que Deus opere um despertamento espiritual sem precedentes na história da juventude brasileira”.

O Desperta, Débora nasceu no coração do reverendo Jeremias Pereira durante a Consulta Global sobre Evangelização Mundial (GCOWE 95), promovido em maio daquele ano em Seul, Coréia. Nesse encontro, a Igreja coreana consagrou cem mil jovens de diversas denominações para a obra missionária. “Era um dia chuvoso e frio, e num daqueles momentos de clamor uma jovem perto de mim estava com a testa no chão. Em oração, ela se oferecia como mártir para que ao menos uma pessoa da Coréia do Norte entregasse sua vida a Cristo. Ao ouvir aquilo chorei como um menino e desejei que algo semelhante acontecesse no Brasil”, lembra Pereira, pastor da Oitava Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte.
Ainda em Seul, ele procurou o pastor Marcelo Gualberto e juntos …