Pular para o conteúdo principal

O Testemunho de Edilene

Olá, a Paz!

No início de de 2009 umas dores na regiãompélvica começaram a me incomodar e se intensificaram depois que comecei a academia em setembro daquele ano. Bom, em janeiro fui à ginecologista e fiz todos os exames de rotina. Graças a Deus a médica disse que estava tudo bem e que teria q procurar outros especialista para investigar melhor essa dor. Em março tive que interromper a academia, pois notava que doía mais quando fazia esforço, com isso comecei a me preocupar. Em abril fui ao gastro e ele pediu uma bateria de exames, disse que esse tipo de dor às vezes tem ligação com o aparelho gástrico. Também graças a Deus não deu nada nos exames e olha que eles foram profundos e investigativos. No final de junho passei o dia com a dor, à noite fui na emergência da UDI, o médico q me atendeu tocou na parte q dói e falou q estava parecendo com aderência(As aderências são uma consequência comum, embora por vezes grave, de todos os tipos de cirurgias, incluindo os procedimentos ginecológicos mais vulgares, como a dilatação e curetagem, cesariana, histerectomia, tratamento cirúrgico da endometriose (um problema em que o revestimento uterino fica implantado fora do útero), miomectomia (remoção de fibromiomas), cirurgia dos ovários e cirurgia reconstrutiva das trompas. As aderências que se formam a seguir a uma cirurgia da zona pélvica são uma das principais causas de dor pélvica pós-operatória, infertilidade e obstrução do intestino delgado.). Bom, fiz uma pesquisa pela Internet e vi que podia ser isso, pois fiz uma histerectomia, mas era apenas uma suposição médica. O médico disse que não existe um exame que possa detectar a aderência com precisão a única forma consiste em removê-las ou separá-las cirurgicamente, de repente se não tiver com isso, a pessoa se submete a um procedimento com anestesia geral e tudo sem maiores necessidades não é mesmo? Daí resolvi procurar um outro ginecologista, me pediu exames pélvicos inclusive hormonais. Deu tudo normal nos resultados, sem nenhuma complicação pélvica. Perguntei a ele o que ele achava, se poderia ser aderência, ele disse que era muito complicado supor que seria isso, pois se não fôsse me subteria a um procedimento sem necessidade, disse ainda que como tinha um ovário viu pelo resultado do exame que este ainda estava produzindo hormônio e que talvez essa dor poderia ser como de uma ovulação, ou seja parecendo cólica menstrual. Fiquei mais tranquila com essa conversa, mas antes de levar o resultado pro médico em questão, saí daqui do serviço um dia com essa dor para o dentista, só que não estava muito forte. Chegando lá aproveitei que estava sozinha, tive uma consulta com o médico dos médicos, o melhor de tudo não precisava marcar consulta, ele estava ao meu dispor. Falei com JESUS naquela hora e tinha certeza que ele estava alí naquele momento me ouvindo. Disse: olha Jesus tu sabes o que é aderência eu estou com muito medo, pois tem pessoas que morrem disso, mas não preciso temer e nem fazer nenhum procedimento cirúrgico, pois tu vais entrar agora no mais profundo do meu ser e me curar. Comecei a me entregar a Jesus e falei muita coisa a ele. Olha desde esse dia não sentir mais nada, quando fui entregar o resultado para o médico falei como relatei acima e disse que não estava mais sentido, então ele disse pra eu marcar num papel quando essa dor se manifestava, só que esqueci de dizer que não ía ser preciso, pois o médico dos médicos JESUS, O SALVADOR JÁ TINHA ME CURADO. AMÉM!

Jesus é o mesmo ontem, hoje e sempre!

Edilene Araújo
(dileninha6@gmail.com)

Postagens mais visitadas deste blog

Papo de Crente: “Morar junto”, sem se casar, é pecado?

Bem, para responder a esta pergunta, de cara gostaria de dizer que não sou muito de ficar apontando para isso ou para aquilo e dizendo se é pecado, ou não. Afinal, pecado significa errar o alvo, que por sua vez representa a pessoa de JESUS CRISTO. Logo, tudo que fazemos que nos afasta dEle é pecado. Certo? Mas, a pergunta acima tem sido recorrente entre vários jovens e por isso optei por este texto. Vamos entender uma coisa, “morar junto” não é o mesmo que estar casado, assim como “ficar” não é namorar e namorar anos sem compromisso não é “noivar”.  Outra coisa é que esse papo de “morar junto” nada mais é do que um jeitinho de se ter relações sexuais, dentro do socialmente correto. Que fique claro que seguir a Cristo é uma coisa simples, mas que sempre envolve decisões difíceis. Entenda isso como a “porta estreita” da qual Jesus nos alertou. Sexo antes do casamento é FORNICAÇÃO! Não entendeu? Eu explico: “Fornicação é o ato ou efeito de fornicar. Ter relações sexuais por puro prazer, p…

A CABANA e os FALSOS MESTRES

Enquanto escrevo estas linhas milhares de pessoas estão lotando salas de cinema em vários países e até mesmo no Brasil, para assistirem o Filme: A Cabana.  Dirigido por Stuart Hazeldine e adaptado do livro homônimo de 2007, escrito por William Paul Young, canadense, filho de missionários cristãos, teólogo formado em Religião no estado do Oregon, nos Estados Unidos. E, para mim, um dos FALSOS MESTRES de nosso tempo.    Pois bem, este texto, assim como habitualmente o faço é fruto de uma conversa com um amigo que assistiu o referido filme, gostou, o recomendou a outros e me disse que soube reter o que era bom e descartar o que não valia a pena. Acredito e glorifico a Deus por tê-lo capacitado a ter esse nível de discernimento, contudo tenho o coração aflito, tanto pelo zelo que tenho a palavra de Deus, quanto pelas vidas que podem vir a se perder diante do engodo de uma estória emocionante.    Segundo a sinopse oficial do filme a trama apresenta "um homem atormentado após perder a su…

Mães de joelho, filhos de pé

Desperta Débora
“Orando por nossos filhos”.
“Desperta Débora é um movimento de oração cujo alvo é despertar mães comprometidas a orar 15 minutos por dia, para que Deus opere um despertamento espiritual sem precedentes na história da juventude brasileira”.

O Desperta, Débora nasceu no coração do reverendo Jeremias Pereira durante a Consulta Global sobre Evangelização Mundial (GCOWE 95), promovido em maio daquele ano em Seul, Coréia. Nesse encontro, a Igreja coreana consagrou cem mil jovens de diversas denominações para a obra missionária. “Era um dia chuvoso e frio, e num daqueles momentos de clamor uma jovem perto de mim estava com a testa no chão. Em oração, ela se oferecia como mártir para que ao menos uma pessoa da Coréia do Norte entregasse sua vida a Cristo. Ao ouvir aquilo chorei como um menino e desejei que algo semelhante acontecesse no Brasil”, lembra Pereira, pastor da Oitava Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte.
Ainda em Seul, ele procurou o pastor Marcelo Gualberto e juntos …