Pular para o conteúdo principal

A UNÇÃO DA GRAVATA


Dia desses, mudei a foto do meu perfil numa rede social e então seguiram-se uma série de comentários carinhosos, e nestes uns diziam que eu estava parecendo um pastor.  Daí, como já é de costume, surgiu a inspiração para este texto. Antes, porém de prosseguir quero dizer que fiquei MUITO feliz com os elogios e principalmente com a demonstração de afeição das pessoas. Obrigado a todos! Mas é sempre oportuno refletirmos sobre a questão das aparências.

Pois bem,  apesar de eu não ser um pastor como disseram, parecer com um é sempre motivo de orgulho e alegria, mas é importante estarmos atentos e não nos deixarmos iludir pela aparência das pessoas. Espero que meus amigos e irmãos me confundam com um pastor, não por estar vestindo um terno, barbeado, cabelo cortado e olhar sério no rosto. Afinal, meu Bom Pastor, que é Jesus, nunca usou um terno, muito provavelmente tinha uma barba mal aparada e cabelos empoeirados, compridos e talvez até um pouco embaraçados. Não usava sapatos, não tinha uma bíblia nas mãos e de tão comum e igual as pessoas era até difícil de distingui-lo dos seus discípulos. Pelo texto bíblico não o vimos ser ordenado, nem soubemos qual a sinagoga que frequentava com sua família. Mas, quando Jesus chegava e começava a interagir com as pessoas, não havia dúvidas de que ali estava o Rabi de Nazaré, o Mestre e Bom Pastor. Jesus não dizia o que as pessoas gostariam de ouvir, não recuava diante dos incrédulos, não fazia acepção de pessoas, demonstrava o grande amor de Deus em todos os seus atos e palavras, e nunca jamais abandonava os que o seguiam. Como uma irmã, certa vez me ensinou, Jesus era o tipo de pastor que tem cheiro de ovelhas. Não buscava chamar atenção para si, mas para a mensagem que pregava. Jesus era humilde, zeloso, amigo e discipulador. Ensinava e compartilhava do amor e do poder de Deus com os que o serviam. Acreditava e dava oportunidade a todos que o ouviam e obedeciam as suas palavras. Jesus era aquele que tendo todo o poder e autoridade, esvaziava-se de si mesmo e dava lugar e honra ao amor de Deus para com a humanidade.

Ditas estas coisas, espero sinceramente que os que me cercam, sejam os amigos, os inimigos, ou mesmo os que nem sabem quem sou, que possam olhar em minha direção e ver em meus atos e palavras, ao menos um pouco do reflexo de meu Bom Pastor, Jesus Cristo. Que pela misericórdia de Deus, esteja em mim o cheiro das ovelhas e que no trato com elas, eu possa levá-las a fonte eterna de águas vivas. Ofertar-lhes como alimento a palavra de Deus que sacia toda fome, que fortalece e dá sustento.  E clamo a Deus, que não me vejam, mas que vejam a Cristo em mim.

Não se deixe enganar, desde sempre há lobos entre as ovelhas, salteadores que se dizem pastores e hipócritas que cobram o que não podem cumprir. Porém, não estamos sós, órfãos ou abandonados, ainda antes que o Senhor retorne, Deus na pessoa de seu Santo Espírito tem guardado os que temem e amam ao Senhor.  Sejamos fiéis e prossigamos para o alvo, não nos desviando nem para a esquerda,  nem para direita, mas permaneçamos com os olhos em Jesus, nosso Senhor e Salvador. Aquele que era, que é e que sempre será o caminho, a verdade e a vida por todos os séculos dos séculos.

Se você ainda não entregou sua vida a Jesus, não deixe pra depois aceite-o e o confesse como seu único e suficiente salvador.

Jesus te ama e eu também.

Paz!

Ney Bellas


Postagens mais visitadas deste blog

Papo de Crente: “Morar junto”, sem se casar, é pecado?

Bem, para responder a esta pergunta, de cara gostaria de dizer que não sou muito de ficar apontando para isso ou para aquilo e dizendo se é pecado, ou não. Afinal, pecado significa errar o alvo, que por sua vez representa a pessoa de JESUS CRISTO. Logo, tudo que fazemos que nos afasta dEle é pecado. Certo? Mas, a pergunta acima tem sido recorrente entre vários jovens e por isso optei por este texto. Vamos entender uma coisa, “morar junto” não é o mesmo que estar casado, assim como “ficar” não é namorar e namorar anos sem compromisso não é “noivar”.  Outra coisa é que esse papo de “morar junto” nada mais é do que um jeitinho de se ter relações sexuais, dentro do socialmente correto. Que fique claro que seguir a Cristo é uma coisa simples, mas que sempre envolve decisões difíceis. Entenda isso como a “porta estreita” da qual Jesus nos alertou. Sexo antes do casamento é FORNICAÇÃO! Não entendeu? Eu explico: “Fornicação é o ato ou efeito de fornicar. Ter relações sexuais por puro prazer, p…

A CABANA e os FALSOS MESTRES

Enquanto escrevo estas linhas milhares de pessoas estão lotando salas de cinema em vários países e até mesmo no Brasil, para assistirem o Filme: A Cabana.  Dirigido por Stuart Hazeldine e adaptado do livro homônimo de 2007, escrito por William Paul Young, canadense, filho de missionários cristãos, teólogo formado em Religião no estado do Oregon, nos Estados Unidos. E, para mim, um dos FALSOS MESTRES de nosso tempo.    Pois bem, este texto, assim como habitualmente o faço é fruto de uma conversa com um amigo que assistiu o referido filme, gostou, o recomendou a outros e me disse que soube reter o que era bom e descartar o que não valia a pena. Acredito e glorifico a Deus por tê-lo capacitado a ter esse nível de discernimento, contudo tenho o coração aflito, tanto pelo zelo que tenho a palavra de Deus, quanto pelas vidas que podem vir a se perder diante do engodo de uma estória emocionante.    Segundo a sinopse oficial do filme a trama apresenta "um homem atormentado após perder a su…

Mães de joelho, filhos de pé

Desperta Débora
“Orando por nossos filhos”.
“Desperta Débora é um movimento de oração cujo alvo é despertar mães comprometidas a orar 15 minutos por dia, para que Deus opere um despertamento espiritual sem precedentes na história da juventude brasileira”.

O Desperta, Débora nasceu no coração do reverendo Jeremias Pereira durante a Consulta Global sobre Evangelização Mundial (GCOWE 95), promovido em maio daquele ano em Seul, Coréia. Nesse encontro, a Igreja coreana consagrou cem mil jovens de diversas denominações para a obra missionária. “Era um dia chuvoso e frio, e num daqueles momentos de clamor uma jovem perto de mim estava com a testa no chão. Em oração, ela se oferecia como mártir para que ao menos uma pessoa da Coréia do Norte entregasse sua vida a Cristo. Ao ouvir aquilo chorei como um menino e desejei que algo semelhante acontecesse no Brasil”, lembra Pereira, pastor da Oitava Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte.
Ainda em Seul, ele procurou o pastor Marcelo Gualberto e juntos …