Pular para o conteúdo principal

NÃO CHORES (Uma história real!)



Corria o ano de 1991. Heloisa era uma jovem kardecista que freqüentava assiduamente o Centro Espírita Vicente de Paulo, no bairro da Praça Seca, no Rio de Janeiro.
Sua avó materna, que tinha sido o anjo protetor da sua vida, era católica e sempre dizia que Heloisa não devia assistir às sessões espíritas porque ali era um lugar que Deus não gostava que as pessoas freqüentassem. Vez por outra, Heloisa tinha problemas de depressão e para ajudá-la, uma amiga que era da Igreja Batista de Barão da Taquara, levou-a a participar das aulas de artesanato que a igreja mantinha durante alguns dias da semana. Essa atividade com as artes ajudou muito Heloisa, ocupando a sua mente em coisas de real valor. O que, porém, lhe trazia o maior conforto espiritual e paz, era o minuto de oração que uma das irmãs dirigia no começo de cada aula. A avó de Heloisa veio a falecer e foi sepultada no dia 4 de novembro daquele ano no cemitério do Pechincha. Ela se lembra de que chovia muito naquele dia, mas mesmo assim ela não podia deixar de ir ao cemitério, pois sua avó tinha sido uma pessoa muito especial na sua criação. Após o sepultamento, quando Heloisa, misturando suas lágrimas com a chuva que caía, dirigia-se para o portão do cemitério, viu sobre uma sepultura, um papel onde estava escrito: NÃO CHORE! Era um antigo e conhecido folheto publicado pela Cruzada Mundial de Literatura, distribuído todos os anos pelos crentes nos cemitérios, no dia de finados. Esse folheto conta a história do encontro de Jesus com Marta e Maria na ressurreição de Lázaro. Intrigada com a expressão "Não chore", Heloisa guardou o folheto molhado na bolsa e o levou para casa. Leu-o mais de uma vez com ansiedade. A história da ressurreição de Lázaro e as palavras de Jesus declarando que ele é a ressurreição e a vida, fizeram tremer as convicções kardecistas de Heloisa. Alguns dias depois, ela foi ao centro espírita e ali lhe foi dito que sua avó estava presente e ia se manifestar através de um médium. Diz ela que essa foi a gota dágua que fez entornar de vez o balde de suas crenças. Como podia sua avó estar ali se ela, em vida, dizia que aquele era um lugar que Deus não gostava que as pessoas freqüentassem? No domingo seguinte, pela primeira vez, ela entrou na Igreja Batista de Barão da Taquara para participar de um culto. A partir daí, sua vida mudou completamente. No dia 17 de março de 1992, ela aceitou o Filho de Deus como seu bendito Salvador. Uma paz maravilhosa, que ela jamais imaginou que pudesse existir, transbordou em seu coração. Ela foi batizada pelo pr. David Malta Nascimento no dia 26 de julho daquele mesmo ano e tem sido uma fiel colaboradora do pr. Novaes, dirigindo o ministério com os surdos que freqüentam a Igreja, ensinando a linguagem de LIBRAS e interpretando as mensagens para os portadores de deficiência auditiva.
No domingo passado, 12 de outubro, Heloisa me mostrou o folheto NÃO CHORES, que ela guarda com carinho até hoje e cuja mensagem operou uma real conversão, uma total mudança em suas crenças, em sua alma, em sua vida. Hoje ela sabe por que não chorar, mesmo quando se perde uma pessoa muito querida. Ela tem, em seu coração, o meigo Jesus que lhe disse: "Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; e todo aquele que vive e crê em mim, nunca morrerá" (João 11.25). Esta história revela, em primeiro lugar, o valor dos folhetos para a evangelização. Um bom folheto, com uma mensagem de Deus, continua sendo um meio eficiente de evangelizar. Revela também que nem a saudade de uma pessoa amada que partiu, nem a chuva que cai em lugar tão triste como um cemitério, nada pode impedir a consolação de amor com que o Espírito de Deus consola um coração aflito e transforma o choro da morte na alegria da vida eterna.

Autor: Pr.João Falcão Sobrinho

Postagens mais visitadas deste blog

Papo de Crente: “Morar junto”, sem se casar, é pecado?

Bem, para responder a esta pergunta, de cara gostaria de dizer que não sou muito de ficar apontando para isso ou para aquilo e dizendo se é pecado, ou não. Afinal, pecado significa errar o alvo, que por sua vez representa a pessoa de JESUS CRISTO. Logo, tudo que fazemos que nos afasta dEle é pecado. Certo? Mas, a pergunta acima tem sido recorrente entre vários jovens e por isso optei por este texto. Vamos entender uma coisa, “morar junto” não é o mesmo que estar casado, assim como “ficar” não é namorar e namorar anos sem compromisso não é “noivar”.  Outra coisa é que esse papo de “morar junto” nada mais é do que um jeitinho de se ter relações sexuais, dentro do socialmente correto. Que fique claro que seguir a Cristo é uma coisa simples, mas que sempre envolve decisões difíceis. Entenda isso como a “porta estreita” da qual Jesus nos alertou. Sexo antes do casamento é FORNICAÇÃO! Não entendeu? Eu explico: “Fornicação é o ato ou efeito de fornicar. Ter relações sexuais por puro prazer, p…

A CABANA e os FALSOS MESTRES

Enquanto escrevo estas linhas milhares de pessoas estão lotando salas de cinema em vários países e até mesmo no Brasil, para assistirem o Filme: A Cabana.  Dirigido por Stuart Hazeldine e adaptado do livro homônimo de 2007, escrito por William Paul Young, canadense, filho de missionários cristãos, teólogo formado em Religião no estado do Oregon, nos Estados Unidos. E, para mim, um dos FALSOS MESTRES de nosso tempo.    Pois bem, este texto, assim como habitualmente o faço é fruto de uma conversa com um amigo que assistiu o referido filme, gostou, o recomendou a outros e me disse que soube reter o que era bom e descartar o que não valia a pena. Acredito e glorifico a Deus por tê-lo capacitado a ter esse nível de discernimento, contudo tenho o coração aflito, tanto pelo zelo que tenho a palavra de Deus, quanto pelas vidas que podem vir a se perder diante do engodo de uma estória emocionante.    Segundo a sinopse oficial do filme a trama apresenta "um homem atormentado após perder a su…

Mães de joelho, filhos de pé

Desperta Débora
“Orando por nossos filhos”.
“Desperta Débora é um movimento de oração cujo alvo é despertar mães comprometidas a orar 15 minutos por dia, para que Deus opere um despertamento espiritual sem precedentes na história da juventude brasileira”.

O Desperta, Débora nasceu no coração do reverendo Jeremias Pereira durante a Consulta Global sobre Evangelização Mundial (GCOWE 95), promovido em maio daquele ano em Seul, Coréia. Nesse encontro, a Igreja coreana consagrou cem mil jovens de diversas denominações para a obra missionária. “Era um dia chuvoso e frio, e num daqueles momentos de clamor uma jovem perto de mim estava com a testa no chão. Em oração, ela se oferecia como mártir para que ao menos uma pessoa da Coréia do Norte entregasse sua vida a Cristo. Ao ouvir aquilo chorei como um menino e desejei que algo semelhante acontecesse no Brasil”, lembra Pereira, pastor da Oitava Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte.
Ainda em Seul, ele procurou o pastor Marcelo Gualberto e juntos …