Pular para o conteúdo principal

QUE CAMINHO É ESSE?



“Quem me serve precisa seguir-me; e, onde estou, o meu servo também estará.” [João 12.26]
Já não é de hoje que temos ouvido a respeito de um outro evangelho. Recentemente ouvi um pastor dizendo que “existem cristãos que complicam o caminho, complicam o cristianismo... Fazem da ideia de seguir a Jesus algo difícil para pessoas. O caminho é um caminho vitorioso, de benção...” etc.
Ouvi outro jovem dizendo que “somos mais que vencedores neste mundo, nós reinamos aqui com Cristo...portanto um cristão doente ou com sofrimento é um cristão derrotado pelo diabo...” etc.
Precisamos primeiro deixar claro que se tornar um discípulo de Jesus Cristo realmente não nos custa nada, custou a Cristo! Ele que pagou o preço com sua vida! Não há nada em mim ou em você meritório para receber dessa graça. É dEle, por Ele e para Ele (Rm 11.36). Ser filho de Deus é um “direito” que Deus nos deu (Jo 1.12).
Seguir a Jesus é outra história, vai nos custar tudo. Vai custar a nossa própria vida. A porta é estreita e o caminhoapertado! Para eu caminhar nesse caminho e entrar nessa porta, preciso deixar tudo (inclusive eu mesmo) do lado de fora.
Portanto, sermos feitos discípulos, filhos de Deus, não nos custa. Seguir o caminho do discipulado, nos custa tudo, pois é o caminho do martírio. Não podemos nunca confundir essas duas coisas.
Nossa pregação deveria ser baseada em primeiro lugar na obra sacrificial de Cristo para conosco. Devemos chocar pecadores com essa graça salvífica do nosso Senhor. Devemos expor o pecado e sua doença mas também demonstrar a cura, um “novo e vivo caminho”(Hb 10.20), aliás o único caminho – Jesus Cristo (Jo 14.6). Sim, este é o evangelho. Mas também devemos expor o custo dessa nova caminhada com Cristo, pois foi isso exatamente que Jesus fez com a multidão que decidiu um dia segui-lo: “Qual de vocês, se quiser construir uma torre, primeiro não se assenta e calcula o preço, para ver se tem dinheiro suficiente para completa-la? ... Da mesma forma, qualquer de vocês que não renunciar a tudo o que possui não pode ser meu discípulo” (Lucas 14.25-33).
Na passagem acima, Jesus deixa bem claro para nós que quem o serve precisa segui-lo.
A pergunta é: Segui-lo para onde? Para a cruz! É exatamente nesse contexto de morte e cruz que Jesus disse essa afirmação (Jo 12.23-26). É um caminho de dor, sofrimento, perda, autonegação. Quem serve a Jesus precisa segui-lo nesse caminho! Um caminho onde amar a Deus está acima de amar a si. Um caminho onde cantamos como o salmista: “O teu amor é melhor do que a vida!” (Sl 63.3).
Mas não devemos confundir dor e sofrimento com falta de alegria. É exatamente nesse martírio onde experimentamos de uma alegria indizível!Não há nada melhor do ser livre de si mesmo, de seu pecado, do amor ou mundo e de ter o seu deleite no Senhor! Portanto mesmo no caminho apertado e sofrido, somos extremamente felizes!
Precisamos voltar com o cristianismo de Bonhoeffer que ao olhar para a sua forca, disse: “Agora é que a vida começa!”
Precisamos voltar com o cristianismo de Policarpo que antes de ser queimado vivo, diz: “Vivi 86 anos servindo-lhe, e nenhum mal me fez. Como poderia eu maldizer o meu rei, que me salvou?”
Precisamos voltar ao cristianismo pregado por Pedro que ao escrever para igrejas perseguidas pelo império romano ensinava-as a “exultarem” na graça de Jesus Cristo para com eles, dando-lhes uma nova vida, e não uma vida sem sofrimento (1 Pe 1.3-6).
Precisamos lembrar das palavras do apóstolo João: “Se fiel até a morte, e eu lhe darei a coroa da vida.” (Ap 2.10). Precisamos ansiar por uma coroa incorruptível e não prata e ouro desse mundo.
Precisamos lembrar da carta de Paulo à Timóteo dizendo que “todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” (2Tm 3.12). Caracteriza-se essa perseguição de diversas formas, física, moral, intelectual etc.
Por fim, lembre-se das palavras do próprio Jesus: “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me” (Lc 9.23). A cruz é diária! É a cruz do caminho!
Tomar a cruz diariamente é todos os dias tomar decisões que honram a Cristo e não a si próprio, mesmo que sejam loucura para o mundo. Decisões que vão influenciar seus relacionamentos, família, trabalho, estudo, moradia, conforto etc.
Talvez alguém pergunte: Qual a recompensa disso? Para que viver dessa maneira? Que fim esse caminho levará?
A recompensa é o próprio Cristo! Quem me serve precisa seguir-me; e, onde estou, o meu servo também estará. Vivemos dessa maneira pois é o único caminho que nos leva a Ele. Essa é a maior de todas as recompensas. Ele é a própria vida! Ele é quem nos inicia nEle e Ele é o nosso fim! Nosso destino! Ele é o caminho e o fim do caminho!
Examine-se a si mesmo, e siga o caminho do seu Senhor.

Amém!

Thiago Guerra

Postagens mais visitadas deste blog

Papo de Crente: “Morar junto”, sem se casar, é pecado?

Bem, para responder a esta pergunta, de cara gostaria de dizer que não sou muito de ficar apontando para isso ou para aquilo e dizendo se é pecado, ou não. Afinal, pecado significa errar o alvo, que por sua vez representa a pessoa de JESUS CRISTO. Logo, tudo que fazemos que nos afasta dEle é pecado. Certo? Mas, a pergunta acima tem sido recorrente entre vários jovens e por isso optei por este texto. Vamos entender uma coisa, “morar junto” não é o mesmo que estar casado, assim como “ficar” não é namorar e namorar anos sem compromisso não é “noivar”.  Outra coisa é que esse papo de “morar junto” nada mais é do que um jeitinho de se ter relações sexuais, dentro do socialmente correto. Que fique claro que seguir a Cristo é uma coisa simples, mas que sempre envolve decisões difíceis. Entenda isso como a “porta estreita” da qual Jesus nos alertou. Sexo antes do casamento é FORNICAÇÃO! Não entendeu? Eu explico: “Fornicação é o ato ou efeito de fornicar. Ter relações sexuais por puro prazer, p…

A CABANA e os FALSOS MESTRES

Enquanto escrevo estas linhas milhares de pessoas estão lotando salas de cinema em vários países e até mesmo no Brasil, para assistirem o Filme: A Cabana.  Dirigido por Stuart Hazeldine e adaptado do livro homônimo de 2007, escrito por William Paul Young, canadense, filho de missionários cristãos, teólogo formado em Religião no estado do Oregon, nos Estados Unidos. E, para mim, um dos FALSOS MESTRES de nosso tempo.    Pois bem, este texto, assim como habitualmente o faço é fruto de uma conversa com um amigo que assistiu o referido filme, gostou, o recomendou a outros e me disse que soube reter o que era bom e descartar o que não valia a pena. Acredito e glorifico a Deus por tê-lo capacitado a ter esse nível de discernimento, contudo tenho o coração aflito, tanto pelo zelo que tenho a palavra de Deus, quanto pelas vidas que podem vir a se perder diante do engodo de uma estória emocionante.    Segundo a sinopse oficial do filme a trama apresenta "um homem atormentado após perder a su…

Mães de joelho, filhos de pé

Desperta Débora
“Orando por nossos filhos”.
“Desperta Débora é um movimento de oração cujo alvo é despertar mães comprometidas a orar 15 minutos por dia, para que Deus opere um despertamento espiritual sem precedentes na história da juventude brasileira”.

O Desperta, Débora nasceu no coração do reverendo Jeremias Pereira durante a Consulta Global sobre Evangelização Mundial (GCOWE 95), promovido em maio daquele ano em Seul, Coréia. Nesse encontro, a Igreja coreana consagrou cem mil jovens de diversas denominações para a obra missionária. “Era um dia chuvoso e frio, e num daqueles momentos de clamor uma jovem perto de mim estava com a testa no chão. Em oração, ela se oferecia como mártir para que ao menos uma pessoa da Coréia do Norte entregasse sua vida a Cristo. Ao ouvir aquilo chorei como um menino e desejei que algo semelhante acontecesse no Brasil”, lembra Pereira, pastor da Oitava Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte.
Ainda em Seul, ele procurou o pastor Marcelo Gualberto e juntos …