Pular para o conteúdo principal

O Belo na Igreja


O Presente texto foi por mim redigido por força do compromisso didático com o objetivo de explanar sobre o tema: "O Belo na Igreja." Algo tão óbvio que, contudo parece se ocultar aos olhos de uma maioria. Pois bem, para situar você amigo leitor desavisado, o texto que tem em mãos é uma abordagem teológica (Filosófica?) sob a ótica da ESTÉTICA. A qual em termos mínimos nos remete ao uso da ARTE no meio Eclesiástico.

Para falar do Belo na Igreja me proponho uma viajem imaginária a um culto em minha própria igreja. Supondo que fosse num domingo a noite e a nave estivesse lotada. Antes do inicio do culto propriamente dito, me acomodo numa das cadeiras e passo a observar o lugar. O Templo ainda esta em construção, então os acabamentos e detalhes do prédio são bastante rústicos. Haja visto o chão o sem piso e a parede ao fundo ainda no tijolo sem reboco. Ainda há no ar um cheiro de cimento característico de ambientes em obra. Por outro lado, na parede central, logo atrás do púlpito vemos um grande tecido branco, emoldurado por outro tecido dourado e belas flores azuis. Hoje é dia de ceia e ali na frente vemos uma mesa coberta por uma toalha branca ornada por um tecido de cetim vermelho. Os cálices de suco de uva estão em uma bandeja própria de alumínio e os cubinhos de pão numa elegante vasilha de vidro. Há ainda um jarro com trigo e uma grande taça cheia de suco. Que bela imagem e claro, tecnicamente falando, a bandeja e a vasilha do pão, os primeiros exemplos de arte útil* que percebi. Mas então acordo para a cadeira plástica em que estou sentado, lembrando que atualmente nossas Igrejas aboliram (em sua maioria) o uso dos desconfortáveis longos bancos de madeira. Estas cadeiras que primam pela estética e pelo conforto também são exemplos de arte útil.

Hoje em dia, ainda que muitos líderes sequer se deem conta é natural que os templos ofertem em maior ou menor número de elementos de aparência agradável e confortável. O Mesmo podemos falar da qualidade do Som em nossos templos que já em sua construção preveem a acústica ideal e mais tarde a aquisição seja dos instrumentos ou dos equipamentos de conexão e transmissão. Tudo feito da melhor forma, sim para honra e glória de nosso Deus, mas inegavelmente como artifício evangelístico, uma vez que aqueles que nos vistam ainda não conhecem a Deus e muitas vezes são cegos espirituais é importante ter algo que lhes atraia, tranquilize e desperte o melhor de suas emoções. Características essas intrínsecas a expressão da arte.

Agora, ainda neste cenário imaginário de um culto de domingo a noite. Relembro a competente direção de um de meus irmãos de fé, seguida de lindos louvores de adoração e enfim da Palavra abençoadora ministrada pelo Pastor. É quando percebo que assim como os discípulos a caminho de Emaús eu também nada via. Até aqui expressei e registrei o Belo em suas expressões plásticas, mas ignorei completamente a verdadeira manifestação do Belo na Igreja e essa não é outra senão a gloriosa presença de Emanuel, Deus Conosco, Jesus Cristo, a Majestosa cabeça de leão da Igreja. Jesus é a Obra de Arte Suprema, perfeito nos mínimos detalhes. O Auto retrato de Deus esculpido em carne e sangue. Uma obra em cuja presença nos quebrantamos, nos iluminamos e somos motivados. Sim, sem qualquer margem de dúvida, Jesus Cristo, o Senhor, o Todo Poderoso dono da Igreja é ELE próprio a definitiva expressão do Belo na Igreja.

*Arte útil = Qualquer expressão artística que por natureza expressa mais que a arte em si, mas que tem uma função prática, útil em sua natureza.

Ney Bellas
16/03/2011

Postagens mais visitadas deste blog

Papo de Crente: “Morar junto”, sem se casar, é pecado?

Bem, para responder a esta pergunta, de cara gostaria de dizer que não sou muito de ficar apontando para isso ou para aquilo e dizendo se é pecado, ou não. Afinal, pecado significa errar o alvo, que por sua vez representa a pessoa de JESUS CRISTO. Logo, tudo que fazemos que nos afasta dEle é pecado. Certo? Mas, a pergunta acima tem sido recorrente entre vários jovens e por isso optei por este texto. Vamos entender uma coisa, “morar junto” não é o mesmo que estar casado, assim como “ficar” não é namorar e namorar anos sem compromisso não é “noivar”.  Outra coisa é que esse papo de “morar junto” nada mais é do que um jeitinho de se ter relações sexuais, dentro do socialmente correto. Que fique claro que seguir a Cristo é uma coisa simples, mas que sempre envolve decisões difíceis. Entenda isso como a “porta estreita” da qual Jesus nos alertou. Sexo antes do casamento é FORNICAÇÃO! Não entendeu? Eu explico: “Fornicação é o ato ou efeito de fornicar. Ter relações sexuais por puro prazer, p…

A CABANA e os FALSOS MESTRES

Enquanto escrevo estas linhas milhares de pessoas estão lotando salas de cinema em vários países e até mesmo no Brasil, para assistirem o Filme: A Cabana.  Dirigido por Stuart Hazeldine e adaptado do livro homônimo de 2007, escrito por William Paul Young, canadense, filho de missionários cristãos, teólogo formado em Religião no estado do Oregon, nos Estados Unidos. E, para mim, um dos FALSOS MESTRES de nosso tempo.    Pois bem, este texto, assim como habitualmente o faço é fruto de uma conversa com um amigo que assistiu o referido filme, gostou, o recomendou a outros e me disse que soube reter o que era bom e descartar o que não valia a pena. Acredito e glorifico a Deus por tê-lo capacitado a ter esse nível de discernimento, contudo tenho o coração aflito, tanto pelo zelo que tenho a palavra de Deus, quanto pelas vidas que podem vir a se perder diante do engodo de uma estória emocionante.    Segundo a sinopse oficial do filme a trama apresenta "um homem atormentado após perder a su…

Mães de joelho, filhos de pé

Desperta Débora
“Orando por nossos filhos”.
“Desperta Débora é um movimento de oração cujo alvo é despertar mães comprometidas a orar 15 minutos por dia, para que Deus opere um despertamento espiritual sem precedentes na história da juventude brasileira”.

O Desperta, Débora nasceu no coração do reverendo Jeremias Pereira durante a Consulta Global sobre Evangelização Mundial (GCOWE 95), promovido em maio daquele ano em Seul, Coréia. Nesse encontro, a Igreja coreana consagrou cem mil jovens de diversas denominações para a obra missionária. “Era um dia chuvoso e frio, e num daqueles momentos de clamor uma jovem perto de mim estava com a testa no chão. Em oração, ela se oferecia como mártir para que ao menos uma pessoa da Coréia do Norte entregasse sua vida a Cristo. Ao ouvir aquilo chorei como um menino e desejei que algo semelhante acontecesse no Brasil”, lembra Pereira, pastor da Oitava Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte.
Ainda em Seul, ele procurou o pastor Marcelo Gualberto e juntos …