Pular para o conteúdo principal

Billy e os Bombeiros

Hoje ouvi uma história, um fato ocorrido na cidade de Phoenix nos Estados Unidos. Lá havia um menino de seis anos de idade, internado num hospital, com a saúde muito debilitada em função de uma Leucemia muito agressiva. Seu nome era Billy e o Câncer em seu sangue o estava matando. Sua mãe, sempre ao seu lado, sofria não só por ver o filho amado naquele leito e enfermo daquele modo, mas pela consciência de talvez ele nunca chegasse a crescer e a realizar seus sonhos. Então certa dia, numa conversa descontraída, a mãe perguntou ao pequeno Billy o que ele gostaria de ser quando crescesse. Ele respondeu que gostaria de ser um bombeiro, andar naqueles carros legais e ajudar as pessoas. Sua mãe então decidiu não ficar parada. Naquele mesmo dia foi ao quartel do corpo de Bombeiros da cidade e buscou o capitão. Sentou-se diante dele, expôs a situação de seu filho e lhe pediu para levar o Billy para dar uma volta no carro dos bombeiros. Bob, o capitão, olhou aquela senhora e disse:

- Se a senhora nos permitir posso fazer um pouco mais. Dê-me as medidas do menino e o prepare para daqui a uma semana passar um dia conosco. Vamos confeccionar um uniforme, com jaqueta e capacete. Vamos torná-lo um bombeiro mirim e durante um dia ele nos acompanhará em todos os chamados.

A mãe, talvez num misto de preocupação e euforia, passou as medidas ao oficial e com a ajuda dos médicos e a empolgação de Billy ao saber da notícia, mal percebeu a passagem do tempo e quando percebeu o dia havia chegado. O próprio capitão foi ao hospital, já levando as roupas de bombeiro mirim. Fez questão de vestir o menino e o acompanhar até o quartel, onde numa cerimônia pública o empossou do cargo e onde o menino diante de todos, empertigado e com muito orgulho fez seu juramento solene. A imprensa estava presente, muitas fotos foram tiradas e algumas entrevistas dadas. Mas não ficou por aí, neste mesmo dia ocorreram cinco chamadas e em todos nosso jovem combatente esteve presente, em cada uma delas acompanhado de um dos bombeiros e sempre num carro diferente. Aquele dia foi marcante, tanto para o Billy que ganhou um novo fôlego de vida, quanto para todos que estiveram ao seu lado.

Passados alguns meses, já esgotados os recursos, técnicas e medicamentos, o pequeno Billy dava sinais de que o fim estava próximo. Então a enfermeira chefe, que não achava que alguém devesse partir desta vida sem a presença dos amigos. Ligou primeiramente a família e depois ao chefe do corpo de bombeiros.

- Capitão, o pequeno Billy esta partindo. O Senhor poderia vir estar ao seu lado?

- Posso fazer mais do que isso! Enfermeira, avise as pessoas do hospital para não se assustarem, mas iremos com todos os carros e com as sirenes ligadas. Estaremos aí em cinco minutos e se for possível leve o Billy a janela para que nos veja chegar.

O capitão desligou telefone e no prazo estipulado lá vinha ele com cinco carros zunindo pela avenida em frente ao hospital. A Enfermeira com o pequeno e frágil Billy no colo o levou a janela conforme lhe fora pedido. Quando o grande caminhão parou em frente ao hospital e estendeu a escada magiros até o quarto do menino, ninguém acreditou, mas Billy mesmo sem forças sorriu e seus olhos brilharam. Ainda mais quando dezesseis bombeiros, um a um emergiram de sua janela e se puseram ao seu lado. Por último capitão chegou e o pegou, a mão de Billy bem próximo, pode ouvir quando o menino lhe perguntou:

- Capitão, eu fui realmente um bombeiro?

-O melhor de nós, Billy. O Melhor. – Respondeu, Bob, o Capitão.

Com um suspiro e um sorriso, Billy nos deixou naquela fria manhã de outono.

Assim como essa mãe, Bob, o bombeiro, a chefe da enfermagem e o próprio Billy que possamos fazer mais...Façamos o nosso melhor!

Contribuição: Pr.Ricardo Pereira (Tabernáculo de Nova Vida em Araruama)


Postagens mais visitadas deste blog

Papo de Crente: “Morar junto”, sem se casar, é pecado?

Bem, para responder a esta pergunta, de cara gostaria de dizer que não sou muito de ficar apontando para isso ou para aquilo e dizendo se é pecado, ou não. Afinal, pecado significa errar o alvo, que por sua vez representa a pessoa de JESUS CRISTO. Logo, tudo que fazemos que nos afasta dEle é pecado. Certo? Mas, a pergunta acima tem sido recorrente entre vários jovens e por isso optei por este texto. Vamos entender uma coisa, “morar junto” não é o mesmo que estar casado, assim como “ficar” não é namorar e namorar anos sem compromisso não é “noivar”.  Outra coisa é que esse papo de “morar junto” nada mais é do que um jeitinho de se ter relações sexuais, dentro do socialmente correto. Que fique claro que seguir a Cristo é uma coisa simples, mas que sempre envolve decisões difíceis. Entenda isso como a “porta estreita” da qual Jesus nos alertou. Sexo antes do casamento é FORNICAÇÃO! Não entendeu? Eu explico: “Fornicação é o ato ou efeito de fornicar. Ter relações sexuais por puro prazer, p…

A CABANA e os FALSOS MESTRES

Enquanto escrevo estas linhas milhares de pessoas estão lotando salas de cinema em vários países e até mesmo no Brasil, para assistirem o Filme: A Cabana.  Dirigido por Stuart Hazeldine e adaptado do livro homônimo de 2007, escrito por William Paul Young, canadense, filho de missionários cristãos, teólogo formado em Religião no estado do Oregon, nos Estados Unidos. E, para mim, um dos FALSOS MESTRES de nosso tempo.    Pois bem, este texto, assim como habitualmente o faço é fruto de uma conversa com um amigo que assistiu o referido filme, gostou, o recomendou a outros e me disse que soube reter o que era bom e descartar o que não valia a pena. Acredito e glorifico a Deus por tê-lo capacitado a ter esse nível de discernimento, contudo tenho o coração aflito, tanto pelo zelo que tenho a palavra de Deus, quanto pelas vidas que podem vir a se perder diante do engodo de uma estória emocionante.    Segundo a sinopse oficial do filme a trama apresenta "um homem atormentado após perder a su…

Mães de joelho, filhos de pé

Desperta Débora
“Orando por nossos filhos”.
“Desperta Débora é um movimento de oração cujo alvo é despertar mães comprometidas a orar 15 minutos por dia, para que Deus opere um despertamento espiritual sem precedentes na história da juventude brasileira”.

O Desperta, Débora nasceu no coração do reverendo Jeremias Pereira durante a Consulta Global sobre Evangelização Mundial (GCOWE 95), promovido em maio daquele ano em Seul, Coréia. Nesse encontro, a Igreja coreana consagrou cem mil jovens de diversas denominações para a obra missionária. “Era um dia chuvoso e frio, e num daqueles momentos de clamor uma jovem perto de mim estava com a testa no chão. Em oração, ela se oferecia como mártir para que ao menos uma pessoa da Coréia do Norte entregasse sua vida a Cristo. Ao ouvir aquilo chorei como um menino e desejei que algo semelhante acontecesse no Brasil”, lembra Pereira, pastor da Oitava Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte.
Ainda em Seul, ele procurou o pastor Marcelo Gualberto e juntos …